[É tempo de solidariedade]

Confiram:

A época de festas de final de ano acaba por resgatar a solidariedade de muitas pessoas. Momento de repensar o que foi feito durante um ano todo traz à tona o desejo de colaborar com o outro. A empatia parece florescer. Em tempos como o que estamos vivendo, em que o coletivo deve ser tomado como prioridade, talvez, o espírito de solidariedade tenha ganhado um espaço maior durante todos os 12 meses de 2021. Mas é em dezembro que muitas pessoas fazem ações sociais, como ceias solidárias, doações de brinquedos e roupas para crianças e famílias, além das tradicionais sacolinhas de Natal.

“O Natal tem algo mágico que desperta para o bem. A RS Serviços faz ações durante todo o ano, por meio do RSocial, que promove doações para 3 instituições diferentes. Mas, para celebrar essa data tão especial, reforçamos as ações com o envio de chocotones para as organizações”, explica Clovis Keller, CFO da RS Serviços.

RSocial – Dentre as ações promovidas está a doação mensal feita sempre na primeira semana de cada mês da mistura para alimentação destinada ao Instituto Luta Pela Vida Pequenos Anjos. “Eu só tenho que agradecer a todas empresas e pessoas que fazem ação solidária. Nosso instituto vive 100% dessas doações. Temos duas unidades e o custo é muito alto. Se não fossem as ações, não conseguiríamos seguir. A RS, por exemplo, é a única que fornece a mistura para a gente. Com isso economizamos muito. Além disso, a RS sempre lembra das crianças daqui em datas especiais. Somos muitos gratos e peço que Deus siga abençoando essa empresa”, diz Tatiane Feitosa, presidente do instituto que cuida de crianças com câncer e outras patologias.

Solidariedade Brasileira – Este ano, o Brasil subiu 14 posições na edição do The World Giving Index, ranking produzido pela Charities Aid Foundation (CAF), divulgado em meados de junho, ocupando o 54º lugar da listagem que mede solidariedade. Se comparada a sua posição média dos últimos 10 anos, a ascensão é de 20 posições. A pesquisa global também contou com recorde no número de pessoas que ajudaram um desconhecido: mais de 3 bilhões de pessoas.

Vale ressaltar que a solidariedade não está apenas em doar bens materiais, mas em pequenos gestos do dia a dia. Se cada um fizer sua parte, teremos um mundo melhor, mais solidário e empático. “O importante é saber que fazemos a diferença na vida das pessoas”, conclui Clovis.