[No mês das mulheres, dados mostram que desigualdade entre gêneros ainda é significativa]

A desigualdade ainda existe.

Mundialmente, cerca de 2,4 bilhões de mulheres estão em desvantagem. No Brasil, a liderança ainda é algo que elas buscam.

Divulgado no começo deste mês, o relatório Mulheres, Empresas e o Direito 2022 do Banco Mundial demonstra que cerca de 2,4 bilhões de mulheres em todo o mundo têm menos oportunidades e direitos econômicos que os homens. Além disso, a diferença entre os ganhos esperados ao longo da vida de homens e mulheres é de US$ 172 trilhões de dólares.

Este março, mês que é dedicado às mulheres, é um excelente momento para refletirmos o quanto ainda falta para elas alcançarem a igualdade em diversos setores. A reflexão sobre a luta e as conquistas das mulheres, principalmente por igualdade e respeito, é urgente.

Liderança – Também divulgado este ano, no final de janeiro, o Gender-Equality Index (GEI), da Bloomberg, que traz um estudo feito com 418 empresas presentes em 45 países, mostrou que apenas 31% dos conselhos coorporativos são compostos por mulheres.

No Brasil, o cenário não é diferente. Um exemplo é o resultado do Relatório Global de Gênero do Fórum Econômico Mundial (Dados Brasil), que mostra que apenas 39,4% dos cargos de gestão no país são de mulheres. Somado a isso, a taxa de desemprego entre o público feminino é maior que a do masculino, segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e estudos mostram que foi ainda mais afetada com a pandemia.  

Algumas empresas já estão na busca da equidade de gêneros e querem reverter esse quadro, trazendo igualdade entre homens e mulheres. Na RS Serviços, 65% dos cargos de liderança são presididos por elas. Além disso, a empresa mantém um número de colaboradores de ambos os gêneros em equilíbrio, já que quase 50% do total de trabalhadores do setor administrativo da empresa são mulheres.

Wendy Tavares, Coordenadora de Relacionamento Comercial da RS Serviços, conta que as oportunidades são as mesmas para ambos os gêneros e que sempre teve um plano de carreira na empresa. “Comecei como assistente comercial e fui conquistando espaço até chegar na minha posição atual. Nunca me faltaram incentivos e reconhecimento. Aqui na RS Serviços a liderança feminina é muito unida e todos ganham com isso”, destaca.

Dia Internacional da Mulher – A data comemorativa foi oficializada na década de 70 pela ONU e simboliza a luta das mulheres por condições igualitárias. Que essa luta seja vencida e que todos tenham os mesmos direitos.